> M: Velhas histórias

Velhas histórias

No dia 3 de abril de 1964, o coronel Hélio Ibiapina Lima recebeu um prisioneiro no QG do IV Exército, Recife. Reconheceu instantaneamente o velho sargento, comunista até à demência, mas bom soldado, que servira sob o seu comando. O prisioneiro estava amarrado e ele mandou desamarrá-lo. Estava esfomeado e ele mandou alimentá-lo.
Quando o coronel saiu, um grupo de agitadores direitistas arrancou o prisioneiro do QG e o levou pelas ruas, com um laço no pescoço. Alguém avisou o coronel e ele foi no encalço da turba. Mandou parar a festa e levou o prisioneiro de volta, sob o olhar furioso da multidão. O prisioneiro, aterrorizado, agarrava-se ao braço esquerdo do coronel, que com a outra mão se agarrava por sua vez ao cabo da pistola 45. Na primeira esquina o coronel ofereceu libertá-lo, para evitar novas tentativas de linchamento. O prisioneiro achou que estaria mais seguro no quartel. Ele estava com bolhas nos pés, por ter sido obrigado a caminhar descalço sobre o asfalto quente, e o coronel mandou medicá-lo. Alguns dias depois, o prisioneiro soube que havia um pedido de habeas-corpus em seu favor e foi pedir ao coronel que não o soltasse, pois os perseguidores rondavam o quartel à sua espera. Ficou e sobreviveu.
O nome do prisioneiro era Gregório Bezerra. As famílias de outros comunistas – Waldir Ximenes de Farias, Miguel Dália, Almir Campos de Almeida Braga –, quando souberam dos acontecimentos, foram pedir às autoridades que seus parentes presos fossem colocados sob a guarda do coronel Ibiapina, com quem estariam seguros.
No entanto, há 35 anos ouço contar que Gregório Bezerra foi espancado sob as ordens do coronel Ibiapina. Eu próprio, imbuído de credulidade residual mesmo depois de morta há duas décadas minha fé no comunismo, repeti essa história numa conferência no Instituto de História e Geografia Militar, por mero espírito de porco, pois fora avisado de que o malvado personagem, agora general e presidente do Clube Militar, estava na platéia. Ele não me levou a mal. Apenas me chamou a um canto para contar os fatos, com documentos e testemunhos para comprová-los.
Mais uma vez, depois de tantas, amaldiçoei minhas orelhas que, por companheirismo saudosista ou mera falta de malícia, tinham novamente sido enganadas pelos comunistas, com as bênçãos do arquimeloso d. Paulo Evaristo Arns.
Agora a lenda é publicada de novo, pela enésima vez, pelo jornal O Globo, e ainda haverá quem acredite, principalmente porque vem naquele tom casual de banalidade transitada em julgado, disfarçada como mero aposto num parágrafo que trata de outra coisa. É o mais velho truque dos intrigantes: enxertar a mentira comprometedora numa conversa qualquer, de passagem, como quem não quer nada, contando com a vulnerabilidade subliminar do ouvinte distraído. Tomando carona num outro assunto, a discreta calúnia não se expõe ao risco de uma discussão e acaba sendo aceita por automatismo. Repetida a operação umas centenas de vezes, o absurdo se impregna no fundo do subconsciente popular, pronto para resistir, com todas as forças da irracionalidade, a qualquer exame sensato. Quem já não acreditou, por esse meio, em histórias de orgias prodigiosas em claustros de carmelitas? Há toda uma engenharia da credulidade, mas ninguém jamais a praticou com a arte e a persistência dos comunistas. A lenda do torturador Hélio Ibiapina está assim incorporada aos arquivos da estupidez universal, o mais inabalável patrimônio histórico do mundo, e continuará sendo publicada pelos séculos dos séculos, amém.

Em aditamento a meu artigo “A história oficial de 1964”: – Um respeitável acadêmico do Rio, ex-militante da direita civil armada, me confirmou que organizações direitistas de São Paulo e do Paraná receberam, às vésperas do 31 de março, caixas e mais caixas de metralhadoras INA. Mais uma prova da minha teoria: a direita civil estava pronta para um massacre de esquerdistas, que a inesperada iniciativa das Forças Armadas paralisou no momento decisivo. Se algum comunista chegou vivo ao fim de 1964, deveu isto a seus desafetos fardados. Oh, vergonha, mãe do ressentimento!

Olavo de Carvalho é autor de “O Imbecil Coletivo: Atualidades Inculturais Brasileiras” http://www.olavodecarvalho.org e-mail: lux@olimpo.com.br

0 comentários:

Blog Archive

  © Blogger templates The Professional Template by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP